segunda-feira, 21 de outubro de 2013

''NASCERMOS DE NOVO''


quando
a ferrugem dos dias iguais
a sarjeta das dores
o nublado dos céus incoerentes
o sal dos amargos silêncios
a fome e a sede e a angústia
de sentir paz

descolorindo suas vestes
derramarem em planícies fiéis
o mel dos espelhos precisos
com suas cores de exatidão imortal
sem pressa de fugas
sem abandonos de alcovas

sementes de sangue novo
agitarão bandeiras ao vento.

Alvina Nunes Tzovenos
In: Palavras ao Tempo