terça-feira, 5 de novembro de 2013

''DESTINOS''

E as naves partiram
levando rumos desiguais.


Era noite
e os barcos não vinham.


Havia um regresso de vozes
e um peso de solidão grunhindo no ar.


A manhã custava a se fazer
era um parto demorado
com manchas douradas
que anunciavam um novo ser.


Os campos choravam de bênçãos
e, o ar doce, feria de odores
as narinas da manhã já desperta.


Ouvia-se a vida
no amor das flores, no sabor das cores e no odor
das horas que se assenhoreavam.


. . .  éramos nós que amanhecíamos
. . .  éramos nós que amávamos
amávamos o amor da Vida!



Alvina Nunes Tzovenos
In: Palavras ao Tempo


[Arte de Christian Schloe]