terça-feira, 13 de agosto de 2013

''DISTANCIANDO-ME''

Já quando o tempo não me trouxer mais
lembranças de ti, de tua serenidade
estarei alerta aos sons
dos esquecidos que almejam a paz.

Já quando o tempo não me trouxer mais
verdades de ti, sem medo ou pranto
eu lembrarei das manhãs silenciosas
cheirando a outonos precoces
ou a morangos silvestres.

Já quando o tempo não me trouxer mais
ânsias de amar, de viver
estarei só, na meditação dos invernos
como pombas em crepúsculos, nos cais
à espera de novos rumos
sem barcos tardios ou vazios 
à espera de mãos
como criança que se deixa levar
na ilusão de um brinquedo
ou facho de luz que busca seu caminho
dentro da eternidade.


Alvina Nunes Tzovenos
Palavras ao Tempo